"Corrigir uma página é fácil. Mas escrevê-la - ah, amigo! - isso é difícil."

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Bonecos de ferro ou gente de barro?

Procusto, personagem da mitologia grega, vivia perto da estrada de Eleusis. Costumava atrair para sua casa, de forma hospitaleira, viajantes solitários oferecendo-lhes abrigo para passar a noite. Ele possuía duas camas de ferro, uma menor e outra maior que, “caridosamente”, cedia ao visitante. Entretanto, depois que a vítima adormecia, Procusto a dominava para tentar adequá-la de forma exata ao tamanho do leito: se o sujeito era alto, e passava das medidas, ele cortava os pés com um machado; se era baixo, esticava os seus membros com cordas e uma roldana. Ao final, mesmo mutilada, a pessoa acabava conformando-se adequadamente ao tamanho da cama.

Olhe para as igrejas dos nossos dias! Veja se os bancos não se parecem com “camas de ferro”? Veja se a mensagem que atrai as pessoas não parece com o “maravilhoso” convite de Procusto aos incautos? Triste, mas o cristianismo de hoje está apenas produzindo bonecos de ferro, ou seja, seres caricaturados, estereotipados, gente de uma rigidez e frieza cadavérica inigualável. A mensagem, ao invés de fomentar a vida, semeia a morte, ao invés de produzir quebrantamento e pacificação interior, gera presunção e julgamento, ao invés de construir o ser, desconfigura a alma, ao invés de atrair as pessoas, produz nelas repugnância...

Ser “crente”, nesta geração, é ser “engessado”, alguém que foi “customizado” pela igreja como um produto em série. É gente sem consciência, sem senso crítico, apenas um membro de uma confraria de escolhidos que pensa que o sagrado pode ser cartelizado e o Evangelho normatizado como se fosse uma franquia do divino. Ah moçada, quão distante tudo isto está da mensagem de salvação de Jesus!

Que seja utopia, mas eu desejo um cristianismo que produza gente de barro e não bonecos de ferro, pois o barro nas mãos do oleiro ganha forma e pode ser moldado novamente caso o objeto se quebre. Gente de barro é obra de artesão, daquEle que molda o “vaso” para dar-lhe um propósito e um significado, é obra da manufatura diária da vida, que pacientemente constrói coisas boas e belas. Chega de esticar e cortar as pessoas para torná-las iguais, um “padrão de fiel”! Isto pode até fazer sentido na nossa cabeça, adoecida pela religião, mas jamais passou, nem de longe, pelo coração do Pai que está nos céus.  
Loading

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...